Tendo produzido trabalhos profissionais na área, de quando em quando me vejo à procura de explicar como é que se produz um roteiro para Histórias em Quadrinhos (HQs, gibis, Banda Desenhada).

Ora, isso exigiria uma série de longas conversas, ou artigos seriados, ou um livro. Mas como o bate-papo normalmente é curto, vou colocar aqui 5 dicas:

1) Escreva

Escreva muito. Pare de falar a respeito de escrever e escreva. Escreva tudo o que der na telha na hora. Pode não vir a fazer sentido algum no final, mas faz parte do processo de criação.

Não tem desculpa: você pode pegar uma folha simples de papel e desandar a escrever. Mas para quem tem acesso a computador, mais fácil ainda: vá jogando tudo num arquivo. Na hora de produzir o roteiro pra valer mesmo, você pode salvar o tal arquivo com outro nome: é mais fácil cortar, reescrever, reorganizar, editar, enfim… Mas isso só é possível se já tiver algo escrito.

2) Organize as ideias

Muitas delas são bacanas, mas não funcionam numa história só (vale a pena guardar para outras). Pense que as coisas têm que fazer sentido – ações têm consequências, como na vida real, e espera-se que exista começo, meio e fim. Mesmo que a HQ seja contada fora de ordem cronológica. Ora, você não aprendeu nada mesmo quando estudou dissertação na escola?

Vale apelar para as perguntas básicas dos jornalistas: Quem? O quê? Como? Por quê? Quando? Onde? Enquanto você elabora respostas para essas perguntas, vai delineando a história na sua cabeça (e no papel, ou na tela do computador).

3) Não escreva para si mesmo

Esta dica vale especialmente quando o roteiro será desenhado por outra pessoa (embora acredite que valha mesmo quando se desenha uma história própria, para não ter que confiar na memória).Um roteiro é uma ferramenta de trabalho. Você deve expor de maneira clara, o mais objetivamente possível, o que pretende que seja desenhado.

O desenhista será seu primeiro leitor. Se não conseguir capturar o interesse dele, quem dirá dos demais? Ele ainda terá uma série de decisões a tomar para desenhar (acompanhe um profissional decidindo sobre o que colocar numa página e verá como funciona), então não seja preguiçoso e dê um mínimo de detalhe sobre as cenas: se não, ele terá que “adivinhar” o que passou por sua cabeça.

E escreva corretamente em língua portuguesa, por favor: escrever bem só se aprende com bastante prática e boa leitura. Um roteiro com erros crassos de português perde total credibilidade e o interesse do leitor.

4) Não fale sobre uma ação: mostre-a

Você pode ser desenhista ou não, mas é importante pensar que o que você está escrevendo vai virar imagens. Ao invés de colocar uma caixa de narração explicando que um personagem é malvado, crie uma situação na qual ele possa demonstrar sua malvadeza.

Uma imagem não vale mais que mil palavras? Quanto mais importante a ação, mais detalhes você tem que incluir no roteiro, que servirá como orientação para o desenhista. Se uma expressão de um personagem é importante, num determinado momento, peça um close (isso, como em linguagem cinematográfica). Se o importante é mostrar onde ele está, marque um plano geral do local.

Vale lembrar que, num roteiro, você identifica o texto que deve entrar no quadrinho (nos balões, ou nos quadros de narração). Este texto sempre deve ser complementar à ação. Na maioria das vezes será ridículo você colocar um quadro com a narração “Ele desferiu um soco no queixo do adversário” enquanto o que se vê é um sujeito dando um soco no queixo de outro.

5) O tempo dos quadrinhos é um caso à parte

O tempo nos quadrinhos é determinado por fatores como o tamanho e detalhamento de um desenho e pelo espaço de requadro (o intervalo entre um quadrinho e outro).Você pode narrar ações simultâneas intercalando quadros. Você pode colocar num quadro ou numa seqüência de quadros, um desenho que mostre o tempo daquela ação (como uma seqüência que mostra um sujeito em sua cama do ato de dormir até o de acordar, enquanto no fundo do quadro vemos uma janela mostrando o sol que vai raiando).

E existe também o tempo de leitura: um quadro de página inteira pode ser lido rapidamente ou não, dependendo do tamanho do desenho e dos detalhes contidos nele. É uma opção que se faz. Mas lembre-se: por mais que o roteirista e desenhista se esforcem para colocar “amarras” no tempo da HQ, o leitor ainda vai querer determinar seu próprio tempo de leitura e pode até subverter a ordem de leitura, pulando páginas (é a parte mais interativa do negócio). Um bom roteiro ajuda o leitor a mergulhar na história como ela foi concebida.

E então, aticei sua curiosidade? Pois bem. O próximo passo é começar a construir suas próprias histórias. Fique aqui com um exemplo de roteiro, um trecho de uma HQ online que criei para o estúdio Impacto Quadrinhos, que foi desenhado para o site Ford Kids.
Gostou do texto?

Então nos siga no Twitter (@saposvoadores) e na nossa fanpage www.facebook.com/saposvoadores .
Conheça também:

– 5 livros básicos para aprender a fazer quadrinhos

– 6 dicas de elementos fundamentais para produzir seus quadrinhos

Dicas sobre HQs aprendidas com o quadrinista e escritor Lourenço Mutarelli

Como obter recursos para produzir seus quadrinhos

– Como fazer HQs e tirinhas utilizando softwares gratuitos

Este post participou da iniciativa Blogueiro Repórter.

[Post reeditado/atualizado 2012]

5 dicas para escrever um roteiro de quadrinhos
Classificado como:        

27 ideias sobre “5 dicas para escrever um roteiro de quadrinhos

    • 01/02/2014 em 13:52
      Permalink

      Oi Aline.
      Fazer quadrinhos realmente é algo que exige paixão e persistência pra fazer valer seu sonho.
      Pratique e observe o que seus ídolos fazem que você estará num bom caminho.
      Obrigado pela visita, tendo dúvidas é só postar por aqui.

      Resposta
  • 21/03/2014 em 15:02
    Permalink

    Galera post me ajudou muito pois estou iniciando um roteiro
    e estava com muitas duvidas,porem algumas foram tiradas e as outras irei intensamente me esforçando para corrige erros e
    melhora meu roteiro!

    Resposta
    • 23/03/2014 em 18:39
      Permalink

      Bacana Michael. Se quiser mais dicas, deixe aqui nos comentários o que precisa.

      Resposta
  • 11/05/2014 em 14:15
    Permalink

    Tenho um sonho de trabalhar nesse universo dos quadrinhos, apesar de saber que exige muita percistencia, paciencia, competencia e criatividade. Agradeço muito a Deus por saber o basico de desenho e ter uma criatividade para enventar estórias fictícias facilmente. Mais ainda tenho duvidas se invisto no ramo do desenho ou do roteiro. Achei bem incentivante o texto muito obrigada ajudou bastante.

    Resposta
  • 16/05/2014 em 00:59
    Permalink

    Eu estou começando a fazer quadrinhos(eles ainda não ficaram bons) e estou pensando em vendê-los na escola. Será que vai dar certo?

    Resposta
    • 17/05/2014 em 12:55
      Permalink

      lala, é importante produzir sempre para melhorar cada vez mais.
      Sua pergunta é uma questão de percepção: se alguém se interessar em comprar os quadrinhos, talvez estejam melhores do que pensa. Por outro lado, se não tem segurança em relação ao trabalho, melhore antes de pensar em vender.
      De todo o modo, pra quem está começando vale mais a pena produzir cópias sob demanda: fazer poucas cópias conforme forem surgindo interessados. Também é melhor manter o custo baixo, porque valores maiores só são conquistados quando o produto tem mais qualidade, que vem com a experiência que você ainda não tem.

      Resposta
  • 17/05/2014 em 13:09
    Permalink

    Gosto muito do estlio do grande bill watterson. O que vc acha das tirinhas? Obrigado

    Resposta
  • Pingback: Dicas de roteiro com ”SaposVoadores” ! | nucleodequadrinhosjoaoxxiii

  • 21/02/2015 em 13:55
    Permalink

    Eu escrevo histórias avulsas desde os 12 anos, mas apenas há um ano comecei a criar mais seriamente, tenho um sonho de fazer hqs, mas apesar de gostar muito de escrever, não sei desenhar nada.

    Resposta
  • 25/02/2015 em 00:07
    Permalink

    Muito bacana essas dicas. Sempre tive vontade de trabalhar com quadrinhos. Como não tenho o dom de desenhar, tentarei arriscar uns roteiros. Tenhos algumas ideias, mas nunca soube qual a melhor estratégia para colocá-la em papel, já que o trabalho seria apenas a primeira etapa de todo um processo que precisaria ser continuado por outra pessoa e uma má elaboração dificultaria ela. Obrigado por partilhar das suas experiências!

    Resposta
    • 25/02/2015 em 10:28
      Permalink

      Patrick obrigado pela visita e comentários. Espero que possa começar suas produções e depois volte para contar a quantas anda! abs

      Resposta
  • 12/08/2015 em 00:56
    Permalink

    Olá muito obrigado pelas dicas … Eu tenho 3 histórias concluídas praticamente, do que não sei organizar o texto
    Mais suas dicas foram muito boas /

    Resposta
    • 12/08/2015 em 14:34
      Permalink

      Q bom q ajudou Eduardo. E se por acaso tem alguma outra dúvida mais específica pode mandar!
      abs

      Resposta
  • 18/01/2016 em 20:04
    Permalink

    Já estou seguindo o primeiro passo, tb sou fã de quadrinhos, a acho q já tenho uma base pra escrever

    Resposta
    • 20/01/2016 em 19:42
      Permalink

      Legal Bruno! O caminho dos quadrinhos não é fácil, mas vc já deu os primeiros passos!

      Resposta
  • 22/03/2016 em 16:13
    Permalink

    Valeu, cara!! Foi bem útil. To tentando entrar nessas paradas de HQ. Atualmente tenho de 4-6 histórias. Transformar em roteiro que é complicado rsrs. Mas aos poucos creio estar melhorando. Obrigado pela ajuda! 🙂

    Resposta
    • 22/03/2016 em 22:00
      Permalink

      Que bom que ajudamos, Arthur! A hora de transformar em roteiro é importantíssima: muitas vezes a gente percebe que o que parecia boa história talvez não funcione tão bem assim e acaba aproveitando só as melhores partes, recriando o resto!

      Resposta
  • 28/03/2016 em 20:35
    Permalink

    gostaria de saber se você faz desenhos em quadrinhos, bjsss

    Resposta
    • 28/03/2016 em 21:23
      Permalink

      Olá. Não sou desenhista, de modo que me arrisco na arte apenas em situações especiais, como na minha série experimental #EuVejoHQs. Dá pra ler neste link: http://www.saposvoadores.com.br/euvejohqs/ . Mas verá que as ilustrações não são desenhos. Já desenhei HQs antes, mas não profissionalmente.

      Resposta
  • 22/07/2016 em 19:09
    Permalink

    Eu sempre quis fazer um hq, tenho muitas ideias e até já fiz alguns todos dizem que o começo é bom mais o final fica muito ruim não consigo terminar e poresse motivo tenho varias historias inacabadas,o que devo fazer?

    Resposta
    • 25/07/2016 em 22:44
      Permalink

      Oi Leandro. É ótimo que você tenha esta produção iniciada. Mas pra fazer roteiro você tem que terminá-los, não tem jeito.
      O que você pode fazer é distanciar um pouco da história, deixar engavetada enquanto cuida de outras coisas. Um tempo depois, vai lá consultar o que já escreveu. Isso pode ajudar a ter novas ideias que não tinha pensado antes.
      Outra possibilidade é conversar com pessoas de confiança, contar a história. Às vezes, só isso já dá uma vida ao seu roteiro e te ajuda a pensar em algo (ou o seu amigo(a) pode acabar apontando falhas.
      E também ha a possibilidade de você simplesmente finalizar como pensou originalmente e partir pra próxima história. Às vezes é necessário este “desfecho” pra conseguir se considerar apto a escrever outras coisas.
      De todo o modo, são apenas algumas sugestões, cada autor acaba descobrindo seu próprio método. Mas o mais importante é não desistir. abs

      Resposta
  • 30/09/2016 em 14:34
    Permalink

    Poxa,eu tenho ótimas ideias para quadrinhos…
    Tenho pelo menos 4 personagens com historias prontas ,porem não tenho habilidade nenhuma para desenho… :/
    Não sei mas oq vou fazer…talvez faça um curso mais para frente para aprender pelo menos o básico…talvez abandone os projetos e comece a fazer algum livro…talvez venda minhas ideias para alguém que goste e resolva continuar o projeto… :/

    Resposta
    • 05/10/2016 em 00:13
      Permalink

      Oi Julio.
      São coisas distintas: uma coisa é você querer aprender a desenhar. O que é ótimo e muito mais uma questão de treino que de uma habilidade nata (você verá com a prática). Outra é você ir atrás de parceiro(s), desenhistas, de modo que possa focar na produção de roteiros (isso porque as ideias apenas não geram histórias). Se você tem pressa, talvez a melhor opção seja a segunda. Se quer se desenvolver, procure aulas de desenho, mas a técnica vai aprimorando com o tempo

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *